Voto aberto

Tem gente achando que vou anular meu voto ou me abster no dia das eleições.
Talvez tenha me expressado mal. Disse que vou me abster de certos debates e de fazer campanha. Simplesmente por não conseguir fingir amor por uma gestão tacanha e hermética.

Mas para que fique claro, então: vou votar na Dilma.

Sem entusiasmo, porém convicto.

Para mim é quase uma questão de lógica.

Nenhum dos muitos e crônicos defeitos que vejo em seu governo estarão ausentes em um do Aécio. Pelo contrário. Tenho certeza que a insensibilidade aos direitos humanos, meio ambiente, livre manifestação que tanto me ofendeu nos anos Dilma tende a ser ainda mais profunda em um governo Aécio.

Políticas sociais? Sem dúvida a maior e mais importante diferença entre os dois projetos. O Brasil é um país bem menos desigual do que há 12 anos. E distribuir melhor a renda segue sendo um desafio enorme. E me parece a 15a prioridade de alguém como Aécio.

Sobre corrupção, melhor nem começar. Perto da PSDB o PT é amador. Quem observa friamente o histórico sabe da densidade e o profissionalismo da corrupção tucana. Não acredite em mim. Há rankings de ficha suja disponíveis.

Também acho um retrocesso sem tamanho ter um legítimo representante direto da elite econômica no planalto. Não um aliado apenas, mas um amigo pessoal de alguns dos maiores acumuladores de dinheiro e influência no país. O relativo espaço de tensionamento que movimentos sociais conseguem em um governo do PT tende a desaparecer.

Redução da maioridade penal? Privatização de cadeias? Sem rodeios: isso é o que eu considero crime.

Política internacional? Dilma não seguiu tão bem na boa trilha que Lula abriu. Mas nada perto da tragédia para América Latina e para o Sul Global se o Brasil voltasse ao papel de amante especial dos EUA. As poucas declarações que Aécio deu em relação ao assunto falam por si.

Dilma foi péssima na Cultura. Mas com Juca Ferreira na campanha e possivelmente no ministério essa deve ser uma das reais mudanças em um segundo mandato. Sou fã dele. Chato perdê-lo como secretário em SP. Sorte do Brasil.

Economia: Neoliberalismo, arrocho, Armínio Fraga? Nunca mais.

Dito isso, e voto justificado, com ou sem Dilma estou certo de que estamos em um atoleiro econômico.
Nada a ver com juros, bancos, índice de inflação. Mas por conta do que considero seu maior erro. O volume colossal de investimentos no pré-sal e em um modelo de desenvolvimento pra lá de falido. 

Estamos na hora-extra do capitalismo. E enterramos mais de meio trilhão de reais para explorar uma reserva de combustível fóssil. E fazer dela o lastro de nossa economia e educação. Aécio tende a seguir a estrada. E, para piorar, chamar a Halliburton para dividir o bolo.

Não gosto da expressão "voto crítico". Para mim é quase um pleonasmo. Meu voto é prático mesmo. Frio e realista. Lamento não ter a opção de votar em uma visão política mais corajosa, futurista e conectada com os desafios do século 21. Mas entendo que isso é bem maior do que uma chapa ao executivo. Talvez seja pedir demais para presidenciáveis superarem o século 20 quando o modelo de democracia disponível seja do século 19.

Enfim... Resumindo: já que não posso escolher meu aliado, me contento em escolher meu rival. Por isso, espero que Dilma ganhe.

Em frente!

____
PS: Aos amigos que votam no Aécio, tudo certo e todo respeito. Claro que peço que reconsiderem. E analisem, de repente, se seu voto não está mais baseado em raiva do que em racionalidade. Nada pessoal, mas tenho visto muito disso por aí.