Córtex 6 - Racismo, Guerra às Drogas e o vício da opressão. Um passeio com Deborah Small

"Os negros não vieram para as Américas como negros. Nos impuseram a negritude. As pessoas brancas não vieram à América como brancas. E elas trocaram isso por sua branquitude. Essa diferenciação foi criada para justificar a hierarquia econômica que permite um grupo de pessoas dominar outro."

No sexto episódio de Córtex, o Fluxo convidou a advogada e ativista Deborah Small, veterana do movimento negro e antiproibicionista dos EUA.

Deborah veio ao Brasil a convite do CESeC (Centro de Estudos de Segurança e Cidadania) para uma série de encontros e eventos no Rio, Salvador e São Paulo. Ela veio contar um pouco de sua experiência e suas ideias como militante e especialista no sistema criminal americano.
Criada em Nova York, formada em direito em Harvard, depois de iniciar sua carreira em escritórios de advocacia em sua cidade, Deborah acabou deixando o direito corporativo para se dedicar à atuar diretamente nas maiores distorções e injustiças - sobretudo as raciais - na justiça penal. Por anos trabalhou como articuladora da Drug Policy Alliance e fundou sua organização "Break the Chains".

 Processed with VSCO with acg preset


Foi assim que, ao longo dos últimos 30 anos, Deborah Small se tornou uma das mais influentes e articuladas vozes capazes de demonstrar os efeitos trágicos da Guerra às Drogas nas comunidades negras. E como o proibicionismo, no fundo,  é um eco da escravidão, dos rituais de aprisionamento e do que ela chama de "vício da punição". 
 


A CONVERSA

Em pouco mais de uma hora de conversa, falamos sobre como as divisões raciais - e sobretudo o ressentimento branco - vem ganhando potência eleitoral. Donald Trump, Obama, Hillary Clinton e Bernie Sanders.

Os limites da esquerda reformista e como ela enxerga na transformação do ser humano a transformação da economia.  

As diferenças e semelhanças entre o Brasil e os EUA em suas histórias negras. Sobre como através do proibicionismo e do sistema judicial nós podemos entender melhor a reprodução dos rituais opressivos do passado.

A negação brasileira de seu racismo estrutural na adoção da cultura africana e o desprezo pelos negros.

Gentrificação e falta de memória.

E como as identidades negras e brancas são criações artificiais e devastaram culturas para justificar a escravidão. São essas identidades em crise, especialmente a branca, que pode explicar a escalada de tensões raciais. E nos oferecer formas de encarar o passado em nome de uma ideia mais justa de economia e mais aberta de sociedade.

 


O TRAJETO

E por isso a levamos para um passeio pela antiga área portuária do Rio de Janeiro - o centro histórico da escravidão no Brasil. 
Foi no porto do Rio onde a maior quantidade de navios negreiros aportaram no continente. De onde homens, mulheres e crianças negras foram comercializados e distribuídos no país e nas Américas para uma vida de escravidão. Essa mesma área que, hoje, está sendo reconstruída no projeto que Eduardo Paes chamou de "Porto Maravilha". Um dos principais cartões postais da visão de cidade olímpica proposta pela administração carioca.

Nesse cenário, a partir do antigo bairro da Saúde, passando pela Pedra do Sal e acabando no Museu do Amanhã, durante uma hora de caminhada, Deborah Small e Bruno Torturra conversaram sobre como a Guerra às Drogas, o super encarceramento e a escalada das tensões étnicas na política podem ser compreendidas sob uma perspectiva histórica e, mais importante, pela construção de identidades raciais forjadas no regime escravocrata

Abaixo, um link para uma reportagem da Agência Pública de Jornalismo Investigativo que conta muito do passado e da história oculta por trás do projeto do Porto Maravilha.


Córtex é uma produção original do Fluxo.

Direção e Câmera: Susana Jeha
Câmera e áudio: Maria Shirts
Edição: Bruno Torturra e Thiago Neves

 Fim de Córtex no Museu do Amanhã

Fim de Córtex no Museu do Amanhã

 Deborah Small, no primeiro dia no Rio de Janeiro, em visita ao Complexo do Alemão

Deborah Small, no primeiro dia no Rio de Janeiro, em visita ao Complexo do Alemão