Brechas Urbanas - A Loucura e a Cidade

brechas_arte_fundo de tela_novo_semlogo1.jpg

No último Brechas Urbanas de 2017, no auditório do Itaú Cultural em São Paulo, mediei uma das conversas mais interessantes de toda a série. A relação da loucura com a cidade.


Como a criação e evolução dos espaços urbanos definiram e redefiniram o conceito de insanindade. A internação, a luta antimanicomial, o papel das cidades na reitegração de quem sofre com transtornos psíquicos. E, mais do que isso, o que significa ser bem ajustado em cidades que, em si, não são os melhores exemplos de sanidade.

No painel:

Peter Pál Pelbart, professor no Departamento de Filosofia e no Núcleo de Estudos da Subjetividade da pós-graduação em psicologia clínica na PUC/SP.

Babilak Bah é artista, poeta e arte­-educador. É diretor musical do grupo Trem Tan Tan, com o qual lançou mais dois CDs e um DVD. Atualmente coordena a oficina Conteúdos Culturais & Subjetivação em Belo Horizonte, para pessoas que fazem uso de álcool e outras drogas.

Flávia Blikstein é psicóloga e atua no campo da saúde mental há 15 anos, tendo trabalhado em diversos serviços públicos, como o Centro de Atenção Psicossocial (Caps) infantojuvenil e adulto, o Núcleo de Apoio e Acompanhamento para Aprendizagem (Naapa) e a Residência Terapêutica. Seu mestrado em psicologia social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP) tratou de crianças em manicômios. É psicóloga clínica e acompanhante terapêutica, além de ser docente na Faculdade de Psicologia do Mackenzie/SP e doutoranda na Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (FSP/USP).

Guilherme Wisnik é professor na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP. Crítico de arte e arquitetura, é autor de livros como Lucio Costa (2001), Caetano Veloso (2005) e Estado crítico: à deriva nas cidades (2009). Nessa conversa, Guilherme traz imagens antigas de São Paulo, parte da mostra que organizou para o Instituto Moreira Salles. E a partir delas reconta a história de demolição e reconstrução de define muitas de nossas cidades. 

Alessandra Orofino criou e administra o Nossas. Uma organização presente em diferentes capitais do país, que facilita a organização civil e a participação política a partir das cidades. Nessa conversa ela discute a transformação das cidades através de suas expressões políticas e na forma como a sociedade define e reage ao poder público.l